Pular para o conteúdo

O futuro das transmissões automáticas – mais opções de marchas com economia de combustível

maio 8, 2021

A transmissão tem capacidade de interferir no funcionamento do motor buscando o melhor desempenho com economia de combustível, isso justifica o maior escalonamento de números de marchas disponíveis

A economia de combustível move a indústria. Desde a introdução dos padrões instituídos pela Corporação Internacional para Economia de Combustível (CIEC) em 1975, os fabricantes de automóveis têm seguido as tendências das instituições governamentais para melhoria na economia de combustível em carros de passageiros e pick-ups, bem como Vans e SUVs, produzidos para venda no mercado global.

As regulações mandatórias foram introduzidas primeiramente em 1978 para veículos de passageiros e em 1979 para veículos utilitários leves. O padrão CIEC para veículos de passageiros naquela ocasião era de 18,0 milhas por galão ou 8,05 quilômetros por litro; para utilitários leves em 1979 era de 17,0 milhas por galão ou 7,6 quilômetros por litro. O padrão CIEC foi aumentando ao longo dos anos até um ponto onde os veículos de passageiros deveriam percorrer 27,5 milhas por galão ou 12,3 quilômetros por litro e os utilitários leves a média de 23,5 milhas por galão ou 10,5 quilômetros por litro, até o ano de 2010.

Em 29 de julho de 2011, o governo federal (americano) anunciou um acordo com os treze maiores fabricantes de automóveis para aumentar a economia de combustível para 54,5 Milhas por galão (dependendo do modelo do veículo) para veículos de passageiros e utilitários leves até o ano modelo 2025. Estes padrões CIEC estão movendo os fabricantes de automóveis a produzir veículos ainda mais eficientes.

Produzindo veículos ainda mais eficientes.

Com o aperto nos padrões CIEC em 2011, os fabricantes de automóveis tiveram de explorar novos terrenos ao projetar os veículos atuais.

Eles instalaram sistemas computadorizados para controlar o funcionamento do motor, sistemas de injeção de combustível para controlar o desempenho e transmissões controladas eletronicamente para controle das mudanças de marcha, tudo com o objetivo de cumprir os padrões CIEC de 2011.

Através do controle do motor e sistema de injeção, os fabricantes foram capazes de obter muito mais eficiência de seus motores, mas isto por si só não seria o bastante para cumprir os requisitos CIEC. Por isso, os fabricantes de veículos tiveram de fazer mais alguma coisa a fim de cumprir os novos padrões mais restritivos. Foi então que decidiram se voltar para a construção de transmissões com um maior número de marchas.

Aumento do número de marchas

No começo dos anos 70, era comum um veículo possuir uma transmissão automática de três velocidades. Nos anos 80, foi a vez de equipar os veículos com transmissões automáticas de quatro velocidades. No início dos anos 90, vimos veículos com até cinco marchas à frente, embora carros com transmissões automáticas de 4 marchas ainda estivessem em produção.

Ao iniciar o ano 2000, muito fabricantes automotivos começaram a instalar transmissões de seis velocidades em seus veículos a fim de atender aos padrões exigidos pelo CIEC em 2011. Com o passar do tempo e com os padrões de exigência do CIEC ficando cada vez mais restritos, os fabricantes continuaram a realizar avanços nos projetos das transmissões, na tentativa de atender aos padrões vigentes ou que viriam a ser exigidos. Portanto, as transmissões automáticas de 4, 5 e mesmo 6 velocidades do passado não mais atendem aos padrões de economia e preservação ambiental modernos.

Os fabricantes hoje têm de se virar para projetar novas transmissões a fim de atender e mesmo exceder os padrões CIEC de 2016 … e além.

Muitos fabricantes estão seguindo a linha de produzir transmissões com ainda mais marchas. Sete, oito, nove e mesmo dez velocidades à frente estão já na estrada ou em projeto adiantado para execução. Vamos parar um momento e olhar para algumas das transmissões de projeto atual sendo utilizadas ou na estrada no futuro próximo.

Transmissões automáticas de novo projeto

Sete velocidades – a primeira transmissão automática de projeto atual que vamos discutir é a da Mercedes Benz. Em 2003, a Mercedes Benz introduziu a transmissão 7G-Tronic ou 722.9 de sete velocidades à frente.

A 7G-Tronic possui sete velocidades à frente mais a Ré, e uma eficiência média de 85%. Por mais impressionante que isto pareça, a transmissão automática 7G-Tronic já foi substituída pela transmissão 9G-Tronic, de que falaremos um pouco mais tarde.

Oito velocidades – A seguir, vejamos a transmissão de oito marchas. Elas não são novas no mundo automotivo; a Toyota já tem utilizado as transmissões automáticas de 8 velocidades em sua linha LEXUS por alguns anos, e a ZF está produzindo transmissões de oito velocidades que estão substituindo as transmissões ZF6HP de seis velocidades.

A transmissão automática ZF de oito velocidades (figura 2) é 11% mais eficiente que as transmissões da série ZF6HP. Está disponível nos veículos BMW, AUDI, BENTLEY, CHRYSLER, FIAT, LAND ROVER e mais. 

Enquanto isto, a General Motors e a FORD possuem sua própria transmissão de 8 velocidades (figura 3) conhecida como 8L80 ou 8L90, dependendo da aplicação. A transmissão 8L80 fez sua aparição no Corvette Z06 2015 e no Cadillac ESCALADE. A 8L90 substituiu sua predecessora, a 6L90 a partir do ano de 2015 na Chevrolet Silverado, Sierra e Youkon. 

Nove velocidades – A Daimler quebrou novamente os padrões e produziu a primeira transmissão automática de nove velocidades à frente para a Mercedes Benz. A 9G-Tronic (figura 4) foi lançada em 2016 no Mercedes E350 Bluetec. Foi projetada para substituir sua predecessora, a 7G-Tronic e possui uma eficiência média de quase 92%, o que a torna 7% mais eficiente que a 7G-Tronic. 

Dez velocidades – em um esforço de atender aos padrões CIEC para 2016, a FORD e a General Motors desenvolveram conjuntamente uma transmissão automática de dez velocidades à frente para a próxima geração de veículos com tração traseira. É a terceira vez na ultima década que a FORD e a GM trabalharam em conjunto para produzir transmissões.

Cada companhia produz suas próprias transmissões em suas respectivas plantas, mas as transmissões possuem componentes similares, ou seja, o projeto é praticamente o mesmo. A FORD lançou sua transmissão de 10 velocidades na F150 Raptor (figura 5) e a GM fez o mesmo com sua SILVERADO e SIERRA, que são pick-ups médias americanas. 

O que virá a seguir? – Com a FORD e a GM produzindo transmissões automáticas de 10 velocidades, podemos pensar: o que vem a seguir? Bem, só para termos uma pequena ideia, a FORD já requisitou a patente para uma transmissão de ONZE marchas à frente (figura 6). Dá o que pensar; onze marchas à frente!! 

Bem, chegamos até aqui; uma pequena olhada no que o futuro das transmissões automáticas nos reserva. Com o desenvolvimento de transmissões com 9, 10 e até mesmo 11 marchas, os fabricantes de veículos estão a caminho para atender e até mesmo exceder aos padrões CIEC mais atuais.

Com um melhor entendimento do que está por vir nas estradas, não deveremos ter problemas em manter estas transmissões trabalhando por muitos anos e atendendo às necessidades do mundo moderno!

Até a próxima e um ótimo mês de trabalho a todos. 

From → Uncategorized

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: